jan
16
2020

BRASIL – CONTA DE LUZ: Bolsonaro suspende negociações de subsídios a templos religiosos

Presidente disse ter conversado com pastores sobre a medida que reduziria a conta de luz das igrejas. Resistência da equipe econômica, que alegou sobre riscos de distorções dos preços, provocou a suspensão.

O presidente Jair Bolsonaro suspendeu qualquer negociação para conceder subsídios a contas de energia de templos religiosos. O Governo Federal preparava um decreto para adotar essa medida, mas havia resistência por parte da equipe econômica.

“Falei com o Silas Câmara (presidente da bancada evangélica na Câmara) e com o (missionário) R. R. Soares e está suspensa qualquer negociação nesse sentido”, afirmou Bolsonaro, ontem, ao deixar o Ministério de Minas e Energia. Na terça-feira, ao tratar do assunto, Bolsonaro disse que estava tomando “pancada” por causa da medida, mas ainda não havia decidido.

A pedido do presidente, minuta de decreto foi elaborada pelo Ministério de Minas e Energia e enviada à Pasta da Economia, mas a articulação provocou atrito no Governo, já que a equipe econômica rejeita a medida.

Pela minuta em estudo no Governo, os templos passariam a pagar tarifas no horário de ponta, quando há maior consumo, iguais às cobradas durante o dia, que são mais baratas. Cada distribuidora tem seu próprio horário de ponta, que dura três horas consecutivas e se concentra entre o fim da tarde e o início da noite durante dias de semana.

Nesses horários, o consumo de energia pode ficar 50% maior, e as taxas de uso, subir até 300%. É justamente nesse período que os templos costumam realizar cultos.

Mais cedo, Silas Câmara afirmou que um eventual desconto na conta de luz de templos religiosos não seria um gesto grande para o Governo, mas importante para a bancada evangélica.

Na semana passada, o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, afirmou que o impacto econômico seria de R$ 37 milhões. De acordo com Câmara, a retirada dos templos deste tipo de cobrança representaria menos do que um arredondamento de diferença de bandeira (tarifária). “Quando o presidente conversar comigo, vou dizer a ele que o impacto disso (do desconto) é de 0,02% (na conta)”. A medida, no entanto, enfrenta resistência no Ministério da Economia. A equipe do ministro Paulo Guedes é contra aumentar subsídios porque isso distorce o sinal de preços e aumenta o custo da energia. Outro argumento utilizado pela Pasta é o fato de o Tribunal de Contas da União (TCU) considerar inconstitucional conceder subsídio por decreto nas tarifas.

Diário do Nordeste.

About the Author: Bené Fernandes

Radialista com mais de 25 anos de militância em Sobral(CE), e agora Jornalista Profissional, Registro- 01657 MTb - datado de 23/12/2004. Trabalha atualmente na Rádio Paraíso FM-101,1 Mhz, com o Programa FORRONEJO e em 2018 estreamos com o Programa A HORA DA NOTÍCIA, a partir das 12 hs. Participo ainda do Programa Alô Alô Zona Norte na Rádio Tupinambá de Sobral, com o quadro "moendo a notícia", onde faço comentários sobre os principais fatos da nossa política.

Deixe um comentário