set
27
2018

BRASIL – TÁ NA FOLHA: Em palestra, vice de BOLSONARO, propõe renegociar os juros, critica 13º salário, adicional de férias e cogita substituir impostos pela CPMF.

O General Hamilton Mourão, candidato a vice-presidente na chapa de Jair Bolsonaro (PSL) afirmou em palestra que é preciso “procurarmos formas de renegociarmos os juros da dívida pública”, iniciativa que seria parte de um ajuste fiscal, a contenção de gastos do governo.

O general da reserva também criticou o 13º salário, o adicional de férias e voltou a cogitar a substituição de impostos pela CPMF.

Mourão fez palestra de quase 28 minutos na Câmara dos Dirigentes Lojistas de Uruguaiana, na quarta-feira. Deu sua versão da história de problemas econômicos brasileiros, que teriam começado com a Constituição de 1988 e sido agravados em especial pelo primeiro governo de Dilma Rousseff (2011-2014).

A seguir, apresentou um plano para resolvê-los, que seria o de Bolsonaro (“Como o Jair Bolsonaro pretende superar essa questão?”).

Na tarde desta quinta-feira (27), condenou, por meio de nota em rede social, a crítica ao 13º. “Criticá-lo, além de uma ofensa à quem trabalha, confessa desconhecer a Constituição”, escreveu Bolsonaro.

O candidato negara na semana passada que pretenda recriar a CPMF. O plano de criar tributos nos moldes desse imposto sobre transações financeiras foi aventado pelo responsável pelo programa econômico de Bolsonaro, Paulo Guedes, em conversa com empresários e executivos, e revelado por esta Folha.

AJUSTE FISCAL

Mourão diz que o Brasil se “encontra asfixiado, quase paralisado”. Caso não se faça um ajuste fiscal, o governo “vai fechar”. Quem disser que vai haver “anos maravilhosos logo no começo” (do próximo governo), “está mentindo escandalosamente para a população”. Haverá “sacrifícios de toda a ordem”.

O ajuste começa pela diminuição do tamanho do Estado, disse Mourão, que adenda, logo em seguida: “precisamos de formas de renegociar os juros da dívida pública porque, conforme mostrei ontem, pagamos um Plano Marshall por ano de juros da dívida pública” (o general se refere ao auxílio dos Estados Unidos aos países europeus, nos anos posteriores à Segunda Guerra).

As taxas de juros da dívida pública são, grosso modo, determinadas de duas maneiras. Para o curto prazo, o Banco Central estipula a meta para uma taxa de juros (Selic) que produza o efeito de manter a inflação na meta estipulada pelo Conselho Monetário Nacional. No caso dos empréstimos tomados pelo Tesouro Nacional a fim de cobrir excesso de despesas, as taxas são definidas em uma espécie de leilão de mercado (o governo pede empréstimos e aceita aqueles que ofereçam a melhor combinação de custo e prazo).

Depois do “enxugamento” do Estado e da renegociação dos juros da dívida pública, o próximo item do plano Bolsonaro, segundo Mourão, seria redefinir prioridades de gastos. A seguir, o general trata da “indispensável” reforma tributária. Imediatamente, lembra o caso de Paulo Guedes e da CPMF.

Em frases entrecortadas, observa que se trata de um imposto em cascata e que, “para que ocorra alguma forma de imposto dessa natureza”, da CPMF, outros “têm de ser baixados”. “A grande visão” (tributária), no entanto, seria a de cancelar isenções fiscais, paulatinamente, e colocar “todo mundo na base de impostos”, “todo mundo paga” e “vamos pagar menos”.

Na seção histórica de seu discurso, Mourão comentara a carga tributária brasileira, pesada devido à Constituição de 1988 e a políticas populistas. Diz que a carga é de 37% do PIB, “escorchante”; que seria de 15% a 20% em países avançados (na verdade, próxima de 40%). Atribui a “um dos grandes estudiosos do assunto, o professor Fábio Gianetti” a opinião de que a carga deveria ser de 22%, 23% do PIB (segundo o IBGE, estava em 32,4% do PIB em 2017).

13º É JABUTICABA

 “Atrelada à reforma tributária” viria a “implementação séria da reforma trabalhista”. Em suma, trata-se de reduzir os custos da contratação de empregados. Nesse contexto, Mourão criticou o 13º e o adicional de férias.

“Jabuticabas brasileiras. Décimo terceiro salário. Se a gente arrecada 12, como é que nós pagamos 13? É complicado. E é o único lugar onde a pessoa entra em férias e ganha mais. É aqui no Brasil. Então são coisas nossas, é a legislação que está aí, é a legislação que é sempre aquela visão dita social, mas com o chapéu dos outros, não com o chapéu do governo”, disse, precisamente.

Fonte: Folha de São Paulo.

About the Author: Bené Fernandes

Radialista com mais de 25 anos de militância em Sobral(CE), e agora Jornalista Profissional, Registro- 01657 MTb - datado de 23/12/2004. Trabalha atualmente na Rádio Paraíso FM-101,1 Mhz, com o Programa FORRONEJO e em 2018 estreamos com o Programa A HORA DA NOTÍCIA, a partir das 12 hs. Participo ainda do Programa Alô Alô Zona Norte na Rádio Tupinambá de Sobral, com o quadro "moendo a notícia", onde faço comentários sobre os principais fatos da nossa política.

Deixe um comentário

Anuncie aqui!

Faculdades Uninta

Faculdades Uninta

Image and video hosting by TinyPic

Curta nossa página

Veja posts mais antigos

Fale conosco

Hora certa

A voz de Sobral em Brasília

Deputado Federal Moses Rodrigues

Parceiros do Blog

Tel: (88) 3611-4536

MAIS DE 20 ANOS DE SUCESSO

Rua cel. Ernesto Deocleciano, 660 - centro - Sobral - ceará

Fone: (88)3613-2127



Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player


Forronejo na Fm Paraíso