set
11
2017

CEARÁ – GUARDIÕES: Com estatuto e arrecadação mensal, maior facção do Ceará desafia controle do Estado.

Seguindo o exemplo das concorrentes provenientes do Sudeste, a maior facçãocriada no Estado demonstra uma pretensão de sistematizar a sua atuação. Exemplo disso é um estatuto atribuído ao grupo criminoso, ao qual Tribuna do Ceará teve com acesso com exclusividade.

Apreendido pelas forças de segurança do Estado, o texto tem 15 artigos, que detalham diretrizes de funcionamento e ação da “Guardiões do Estado”. Também conhecida como GDE, a facção é responsável, por exemplo, por aquela que é considerada a maior série de ataques criminosos da história de Fortaleza, em abril último, quando 34 equipamentos públicos foram incendiados ou atingidos por tiros.

Ações do tipo são efeito prático de uma noção prevista no estatuto da facção, em seu artigo quinto. No trecho, consta que a “força” e a “união” da organização será usada em casos de “opressões” impostas pelo Governo ou quaisquer outros organismos que se posicionem contrários à “ideologia” ou à “luta” da GDE.

Já no artigo sétimo, é determinado que cada integrante da organização contribua financeiramente todos os meses com a facção. O intuito seria “fortalecê-la”, não deixando “desamparados” os “irmãos”.

O estatuto também indica a existência de uma cúpula, responsável pela “voz final” da facção. O “Conselho Superior” também ficaria responsável por uma espécie de “tribunal”, que julgaria ações que infringissem os princípios da organização. Faltas “gravíssimas”, prevê o artigo 11, podem ocasionar em expulsões. “Todos os membros que estiverem em liberdade devem sempre estar em sintonia e harmonia com os membros encarcerados”, estampa o artigo 10.

Confira o que diz o texto na íntegra:

Ministério Público de olho

Essas normas de funcionamento da facção já são conhecidas pelo Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (Gaeco), do Ministério Público do Estado (MP-CE). O coordenador do Gaeco, o promotor Manoel Epaminondas, afirma que a GDE ainda está em processo de consolidação de uma estrutura, que é o que, segundo ele, permite a estipulação das caixinhas e o fortalecimento de um órgão que gerencie a facção.

Ele também afirma que a facção é composta por células relativamente independentes. “Não é uma estrutura hierarquizada como tem o PCC [Primeiro Comando da Capital] e o Comando Vermelho [CV]”, diz. Atualmente, a GDE tem como grande trunfo permitir mais facilmente a troca de integrantes de diversas quadrilhas, afirma Epaminondas.

O Tribuna do Ceará apurou que, mesmo assim, pelo menos três ações penais já tramitam na Justiça contra supostos integrantes da alta cúpula da GDE. O MP não divulga os nomes dos acusados para não atrapalhar o procedimento. Todos eles seriam seriam internos do Complexo Penitenciário de Itaitinga, na Grande Fortaleza.

Fonte: Tribuna do Ceará.

About the Author: Bené Fernandes

Radialista com mais de 25 anos de militância em Sobral(CE), e agora Jornalista Profissional, Registro- 01657 MTb - datado de 23/12/2004. Trabalha atualmente na Rádio Paraíso FM-101,1 Mhz, com o Programa FORRONEJO e em 2018 estreamos com o Programa A HORA DA NOTÍCIA, a partir das 12 hs. Participo ainda do Programa Alô Alô Zona Norte na Rádio Tupinambá de Sobral, com o quadro "moendo a notícia", onde faço comentários sobre os principais fatos da nossa política.

Deixe um comentário